sexta-feira, 27 de maio de 2011

Aposentadoria proporcional também tem direito a revisão pelo teto









Matéria publicada no jornal O Dia, em 26/05/2011

PROPORCIONAL TEM DIREITO

O DIA divulgou no dia 21, com exclusividade, que a Justiça Federal gaúcha adotou tabela para identificar quem tem direito. Para os juízes, quem pode ter a certeza são os segurados que recebem hoje R$ 2.589,87 (nos dois períodos) e R$ 2.873,79 (referente a 2003). O parecer técnico informa que há exceções.

Advogados afirmam que entre as exceções estão segurados que contribuíam acima do teto e que se aposentaram pela proporcional, porque a parcela submetida à proporção sofre com efeito do teto.

Modelo gaúcho tem adaptação

O especialista Flávio Brito Brás explica por que a tabela da Justiça gaúcha só vale no benefício concedido integralmente. “Veja o aposentado que recebe proporcional desde 1999 no percentual de 76%: o valor R$ 2.873,79 (da tabela) deve ser multiplicado por 0,76. Então, o valor a ser considerado é R$ 2.184,08”, explica. “Para o cálculo da Renda Mensal Inicial (RMI), antes da aplicação do índice proporcional, a média dos salários de contribuição é cortada pelo índice da proporcional. O valor não aparece na tabela da Justiça. Deve estar na tal exceção”, diz.

Cálculo para quem não teve integral deve ser refeito

Para saber se tem direito, o aposentado que teve benefício concedido entre outubro de 1988 e dezembro de 2003 deve observar vários pontos. Tomando como exemplo a Carta de Concessão do INSS de 1994 (quando os valores eram calculados pelos últimos 36 meses), a primeira preocupação é ver a informação “Tempo de contribuição”. Em seguida, “Somatório dos salários corrigidos”. Depois, “Salário de Benefício”.

Soma-se os salários de contribuição e divide-se por 36. Assim, chega-se à média, que pode ser limitada ao teto (se for maior) e será usada para definir a RMI (média multiplicada pelo coeficiente de cálculo).

“O corte no salário de benefício ocorre antes da multiplicação pelo coeficiente de cálculo, independentemente do coeficiente de cálculo ser 100% ou 75 % por exemplo”, explica o especialista Flávio Brito Brás.

Assim, em um exemplo hipotético: quem se aposentou na integral em 1994 com média de R$ 722,13 limitada ao teto da época (R$ 582,86) ganharia hoje R$ 2.589,87. Se foi proporcional, ficou com R$ 442,97 (redutor de 0,76). Respeitada a proporção, ganharia R$ 1.968,30 — fora da tabela da Justiça e com direito à revisão. Consultor jurídico da Federação dos Aposentados do Rio (Faaperj), Carlos Henrique Jund explica que tem proposto várias ações de proporcional: “Porque o redutor é aplicado depois”.























Um comentário :

Gamadinho disse...

"Embusca da revisão"

Vinte cinco anos trabalhei,
Fazendo uso porém da salubridade,
Pude completar trinta anos,
E me aposentei na referida idade.

Como Agente de Estação,
Pude dez salários mínimos ganhar,
Com seis a oito salários,
Eu pude de fato me aposentar.

Em setembro de mil novecentos,
E noventa e seis,
Quinze anos de aposentado,
Completam no dia dezesseis.

Treze anos depois,
Com seis salários pude ficar,
Em setembro de dois mil e três,
Na justiça a revisão pude solicitar.

O INSS deu como indeferido,
Alegando mudança da lei,
E em Maio de dois mil e onze,
Na justiça recoloquei.

Alegando direito adiquerido,
Busquei logo o meu direito reclamar,
É um erro fazer o que quer,
Com quem pode muito tempo trabalhar.

Do poeta: Paulo de Andrade

E-mail: poetapaulo2410@hotmail.com